Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic Innovation - Know More. Create More.RadarQuanto tempo realmente leva para as marcas de beleza indie se tornarem lucrativas

Quanto tempo realmente leva para as marcas de beleza indie se tornarem lucrativas

  • Written by:

Parte da  série do  site Beauty Independent que faz perguntas aos empreendedores de beleza, 15 fundadores e executivos responderam à pergunta: quanto tempo você demorou para alcançar a lucratividade?

CRYSTAL WILLIAMS – Fundadora, The Balm Shop & Co.

Quando sua empresa é autofinanciada, atingir a lucratividade pode levar anos. Para mim, a lucratividade foi alcançada no meu terceiro ano de negócios. Usei grande parte de minhas economias para construir gradualmente minha marca e linha de produtos até o ponto em que estão hoje.

O primeiro ano foi dedicado aos testes beta de um produto que eu tinha em um ambiente prático, para que eu pudesse receber feedback instantâneo do meu cliente sobre o desempenho. Essa fase também apresentou uma oportunidade única de interagir com meu cliente e aprender o que era mais importante para ele. Durante o segundo ano de negócios, nos concentramos em aperfeiçoar a marca e o discurso de vendas e, no terceiro ano, alcançamos nosso ritmo.

Se eu tivesse a chance de fazer tudo de novo, faria o seguinte: 1). Não compre mais. Não há nada pior do que ficar preso com um monte de embalagens que você não usa mais, então deixe espaço para o seu negócio evoluir. 2). Não tenha medo de se desviar do que não está funcionando. Se um produto não está atraindo um cliente, considere repensar sua estratégia, apresentação e argumento de venda. 3). Evite tentar ser tudo para todas as pessoas. Isso é virtualmente impossível! Seu cliente perfeito está lá fora. Você só precisa encontrá-lo.

JACINTA KANAKARATNAM – Fundadora, The Veddas

Por definição, fomos lucrativos no primeiro mês de lançamento. Não é muito lucrativo, mas tivemos lucro depois de deduzidas todas as despesas. Adoraríamos, idealmente, correr exclusivamente com a paixão, mas a paixão, é claro, não paga as contas e não é sustentável!

Um erro que cometemos foi não incluir pequenos custos em nosso orçamento, itens tão minúsculos como deslocamentos locais e refeições para clientes. Em retrospecto, teríamos gasto mais tempo pesquisando e estabelecendo fórmulas de preços. No entanto, um dos nossos objetivos era criar um produto acessível para os consumidores, o que fizemos. Estamos satisfeitos com isso.

PHOENIX GONZALEZ – Cofundadora, Silked

Demoramos dois anos para atingir a lucratividade. Um de nossos maiores erros foi concordar em trazer um representante de vendas em caráter experimental como um terceiro parceiro em potencial com poder de decisão em nosso negócio. Não deu certo e custou mais do que valia para romper os laços legalmente. Agora aprendemos que os empreendedores precisam permanecer empreendedores e, como fundadores, não precisamos de mais ninguém em nossa equipe fundadora.

Nosso segundo grande erro foi concordar em produzir um número maior de unidades para uma das maiores conferências de beleza dos Estados Unidos, que queria vender nossos produtos ao lado de outras marcas independentes em uma loja pop-up que eles lançaram para a conferência em 2019. Tínhamos que dar a eles o que tínhamos em estoque e eles insistiram para que produzíssemos novas unidades. Foi um grande risco financeiro para nós, pois produzimos nosso produto localmente em Los Angeles e, como resultado, pagamos custos mais elevados.

Eles acabaram fazendo um péssimo trabalho de marketing, embora tivessem 25.000 participantes, e ainda hoje, um ano depois, após 15 e-mails e inúmeras ligações, eles nunca nos pagaram o que nos era devido contratualmente. Aprendemos que às vezes a promessa que os outros fazem é boa demais para ser verdade. Você deve seguir seu instinto e não ceder porque você acha que o que eles estão dizendo é real.

ELIN DANNERSTEDT – Cofundadora, NCLA Beauty

Alcançamos lucros no primeiro ano de nosso negócio. No entanto, como muitas pequenas empresas, todos os anos não eram lucrativos. Investir no desenvolvimento de produtos e aumentar nossa equipe foram algumas das muitas coisas que afetaram nossa lucratividade. Ao comemorarmos nosso aniversário de 10 anos este ano, podemos realmente dizer que aprendemos muito! Embora acreditemos que o sucesso vem com fracassos, aprendemos muito, e há algumas coisas que teríamos feito de forma diferente.

Olhando para trás, teríamos dito a nossos “eus” mais jovens para seguir mais nossos instintos. Houve momentos em que não desenvolvemos uma linha de produtos por medo de que ela não fosse bem recebida ou não tivesse um bom desempenho. Vimos muito mais sucesso quando seguimos nosso instinto e desenvolvemos linhas de produtos pelas quais éramos apaixonados.

Também teríamos mudado a maneira como nos sentimos pressionados para ser como outras marcas ou concorrentes. Em vez de crescer no nosso próprio ritmo, às vezes sentíamos que precisávamos acompanhar ou ser como as outras marcas. Depois que estávamos seguros e encontramos nossa própria identidade de marca, descobrimos que o crescimento era muito mais fácil.

 

ANIKA GOODWIN – Fundadora, OpulenceMD Beauty

Estou no mercado há quase seis meses e não sou lucrativo. Eu poderia ser, mas em vez disso, optei por reinvestir qualquer excedente de volta no negócio para crescer e escalar. Como uma empresa muito jovem, acredito que isso é mais importante do que ser lucrativo nesta fase. Cometi erros que custaram muito caro, sendo o estoque muito grande.

Depois de vender todos os meses nos primeiros três meses no negócio, fiquei um pouco louca com estoques e gastos excessivos, deixando muito pouco capital operacional. O planejamento e a previsão de estoque são muito importantes nos estágios iniciais do seu negócio. É uma área que impacta diretamente tanto as vendas quanto o atendimento ao cliente, portanto, considere a possibilidade de consultar um consultor nessa parte do seu negócio. Graças a Deus fui capaz de aguentar e permanecer solvente. Erros como esse podem ser catastróficos.

AVALON LUKACS – Fundadora, AURA Inner Beauty

Como uma pequena marca em fase de crescimento do nosso negócio, estamos muito mais focados no fluxo de caixa do que na lucratividade no momento, principalmente com todas as incertezas que cercam a COVID. A lucratividade é importante, mas também conquistar o cliente e não nos sobrecarregar com isso. Com essas grandes aspirações para a AURA, é importante que continuemos a nos concentrar no crescimento orgânico e estável dentro dos varejistas especializados, enquanto nos mantemos fiéis à nossa visão de longo prazo.

Os erros muitas vezes se transformam em lições valiosas, que você não aprenderia se o erro não tivesse acontecido. Você só precisa ter cuidado para não perder muito dinheiro no processo. É muito fácil gastar muito dinheiro em marketing e cometi erros ao selecionar influenciadores para fazer parceria, mas isso me forçou a entender o setor muito melhor e a ser mais cuidadoso com as parcerias que faço.

KENYATA GANT – Fundadora, Pink Lipps Cosmetics

Levei cinco anos para atingir a lucratividade porque eu estava cometendo todos os erros sozinha. Eu não tinha orientação e estava apenas improvisando. O que eu teria feito de forma diferente, que é o que faço agora, seria investir e contratar alguém para cuidar das minhas finanças em vez de investir tanto em estoque.

GARONNE DECOSSARD – Fundadora, The Ronnie Shop

Tive uma trajetória muito interessante. Eu era lucrativo no início do meu negócio, mas, quando comecei a produção em massa e o marketing, tive prejuízo. Só depois de três anos comecei a ter lucro. Se eu tivesse que fazer algo diferente, não gastaria grandes somas de dinheiro para comparecer a grandes exposições e feiras de negócios na esperança de conseguir negócios com varejistas e novos clientes. Também gastei muito tempo e dinheiro em pop-ups onde, embora tenha ganhado exposição e novos nomes na minha lista de e-mail, eles não necessariamente se traduziram em vendas.

Aconselho qualquer marca que esteja começando a passar algum tempo pesquisando como atingir seu cliente-alvo. A chave é chegar na frente da pessoa com maior probabilidade de comprar seu produto, que às vezes inclui idade, socioeconômico, comportamento, interesses, etc. Realmente construa seu perfil de cliente e o revise constantemente com base em suas vendas e dados de retorno de clientes.

Para lojas físicas, pode-se fazer parceria com outras empresas que atendem seu cliente-alvo. Online, é muito fácil veicular anúncios direcionados a esse cliente. Quando você olha para o custo que leva para alugar um estande de canto em uma grande exposição, onde todos os tipos de clientes passarão com apenas uma pequena porcentagem sendo sua meta, você pode veicular anúncios por dois a três meses entregando seu valor para seus clientes 100% do tempo ou você pode até comprar espaço nas prateleiras de uma pequena butique que realmente atende seu cliente por meses com essa quantia.

Para mim, tem sido uma parceria com cabeleireiros que utilizam minha linha de produtos no atendimento ao cliente. Durante o serviço, eles vão usar o shampoo, a máscara capilar como tratamento e o óleo de Ronnie para pentear. Eles então vendem o produto para o cliente levar para casa com eles. Esta tem sido uma estratégia muito eficaz para mim e aumenta a fidelidade do cliente. A chave é usar dados e parcerias estratégicas para gastar seu dinheiro de marketing com sabedoria. Segmente seu cliente e redirecione-o. É assim que você impulsiona as vendas e libera seu tempo para expandir seus negócios.

SHADI GHANIM – Fundador e Chefe Executivo, Fashionista

 

Estamos continuamente na jornada em direção à prosperidade. Como muitas pequenas empresas, o COVID-19 alterou nossas metas projetadas e antecipadas para 2020, mas somos gratos por ainda ter nossos assinantes leais e crescimento contínuo. Erros são essencialmente curvas de aprendizado, e nossa maior lição, deriva de nosso modelo de negócios inicial como um mercado de beleza com um forte foco no marketing de influenciadores.

Infelizmente, em nossa experiência, o mercado de influenciadores tornou-se extremamente supersaturado, muitas vezes superfaturado com retornos mínimos. Então, nós fizemos um brainstorm, mudamos de assunto e tivemos a coragem de renovar e iniciar nossas caixas de assinatura. Para o sábio, se você não está girando, não está prestando atenção.

BRITTA CHATTERJEE – Cofundadora, Odele

Alcançamos a lucratividade nos primeiros seis meses de operação. Ter vendas lucrativas foi uma parte central de nossa estratégia financeira. Nossa captação de recursos inicial nos protegeu das incertezas de um novo lançamento, e nossos lucros gerados alimentam nosso crescimento a partir daí.

Embora isso leve a planos de crescimento mais conservadores desde o início, nos permite manter mais patrimônio e nos concede várias opções por meio de parcerias bancárias tradicionais ou outra arrecadação de fundos, se escolhermos. O importante é que a lucratividade nos dá opções – e uma noite de sono melhor.

ADODO ROBINSON – Fundadora, Delali Robinson Cosmetics

Demorou cerca de três anos para mostrar lucratividade. Cometi muitos erros no início, como estoque excessivo que não vendeu, gastar dinheiro com pessoas e empresas sem fazer uma pesquisa adequada sobre seus registros de sucesso e muito mais. Sabendo o que sei agora, não vou apressar o cronograma de lançamento nem quero que tudo seja perfeito e gaste demais com brilho e glamour.


HEATH WILSON – 
Fundador e Criador, Heathmade

Demorou três anos para atingir a lucratividade. Definitivamente, houve alguns erros ao longo do caminho. A embalagem é de longe a coisa mais difícil de acertar. Seja o tamanho dos rótulos, erros de digitação ou as etiquetas não estão falando com o consumidor, eu tive que investir um pouco para consertar as etiquetas. Agora, temos um processo de revisão completo.

Fonte:  Beauty Independent – 15/09

Comments are closed.

Parceiros 2020

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros