Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic Innovation - Know More. Create More.Internacional RadarFusões & Aquisições de Beleza do ano de 2019

Fusões & Aquisições de Beleza do ano de 2019

  • Written by:

E previsões para o ano de 2020

As fusões e aquisições na categoria de beleza estão em alta há vários anos e, enquanto os rumores sobre uma bolha de beleza continuavam, 2019 provou ser outro ano forte. Tudo parecia aumentar no ano passado – os investimentos, os negócios e, sem dúvida, as vendas. Em 21 de novembro, o resultado das negociações de beleza para 2019 já havia ultrapassado 19% em relação a 2018, de acordo com o banco de investimentos Capstone Headwaters.

Compradores estratégicos, empresas de capital de risco e empresas de private equity estão ativas, com muitos recém-chegados entrando no espaço. As empresas unicórnio de beleza surgiram, houve vários acordos de bilhões de dólares e apostas foram feitas na próxima safra de indies com aumentos de capital na faixa de US $ 5 a US $ 10 milhões.

O número de transações e avaliações permaneceu alto, criando desafios para potenciais adquirentes. Susan Babinsky, vice-presidente sênior do Kline Group, diz: “A agitação da atividade de M&A nos últimos anos reduziu o fluxo de oportunidades de tamanho maior (por exemplo, marcas ou empresas de mais de US $ 100 milhões), portanto, as empresas estão comprando pequenas e, às vezes,  empresas menos conhecidas – geralmente por um preço bastante alto”.

Como previsto, a atividade em skincare foi elevada, com a Shiseido adquirindo a marca indie de beleza limpa Drunk Elephant por US $ 845 milhões após meses de especulação. O ano começou com a L’Occitane pagando US $ 900 milhões pela marca profissional britânica Elemis e terminou com a Estée Lauder Companies Inc. fazendo sua primeira aquisição de uma marca de beleza asiática, adquirindo os dois terços restantes da Have & Be Co. Ltd ., a holding da Dr. Jart +, por cerca de US $ 1,1 bilhão.

A área de haircare também viu uma atividade significativa, como previsto em toda a categoria, com alguns acordos importantes acontecendo entre marcas que abrangem a distribuição profissional e de consumo, como a aquisição da Olaplex pela Advent International por um bilhão de dólares, e a aquisição da DevaCurl pela Henkel.

2019 foi também o ano do CBD e do cânhamo, com a indústria passando de uma tendência para um intenso ritmo de lançamento de produtos deste nicho, onde já vemos muitos investidores de beleza tradicionais atuando. Aqueles com apetite por investimentos de risco fizeram suas apostas, mas a maioria dos investidores de beleza está à margem no momento, enquanto os investidores do lado da maconha compraram marcas famosas como Lord Jones, Beboe e This Worksthat, que podem ser aproveitadas para criar a categoria de beleza CBD.

Beleza, bem-estar e agora saúde convergiram, expandindo as oportunidades de investimento e os potenciais pontos de distribuição. Marcas de suplementos como Olly e Moon Juice, aplicativos de meditação como Calm e marcas de telessaúde como Hims encontraram seu caminho entre os canais de beleza tradicionais. Começamos a ver categorias como higiene bucal e saúde encontrarem espaço no ecossistema de beleza de maneira significativa.

No varejo, a influência e as celebridades continuam a ser investimentos atraentes, com o dinheiro fluindo para empresas indie apoiadas por influenciadores, bem como a incubação de marcas em grande escala para grandes varejistas como Masea e Beach House.

PREVISÕES PARA 2020:

O boom histórico continuará em 2020? O consenso é de que o mercado continuará saudável, com muitos bancos de investimentos relatando pipelines de acordos de beleza robustos para 2020. Outros especialistas não esperam que 2020 seja tão robusto quanto 2019, porque o conjunto de marcas independentes maduras de escala é bem pequeno, enquanto as expectativas de valorização permanecem altas. Alguns estão prevendo que levará de dois a três anos para que a próxima safra de indies apareça como os próximos líderes de beleza.

Clean Color: a categoria de cosméticos coloridos, de forma abrangente, continua em dificuldades e, conseqüentemente, a atividade de transação continuará lenta, com exceção do segmento de cores limpas. A tecnologia de formulação evoluiu, permitindo que as marcas de cores limpas competissem com desgaste, desempenho e retorno duradouros. As marcas de cores limpas serão uma commodity quente em 2020, rompendo seu status de nicho.

Cuidados Pessoais: A categoria tradicional de cuidados pessoais está passando por uma rápida evolução, com marcas que quebram tabus, tratando de cuidados com o período menstrual, bem-estar sexual, menopausa e aceitação do corpo, redefinindo a categoria. Com o investimento, as marcas independentes continuarão a crescer, conquistar ou criar participação de mercado. A aquisição da Billie pela P&G é o principal exemplo do que está reservado para esta categoria.

Marcas orientadas para fins específicos: Simplesmente vender produtos não é suficiente. Os consumidores querem marcas que representem algo alinhado com suas crenças. Marcas de ativistas como Beautycounter e Milk Makeup continuarão sendo alvos de aquisição para a estratégia pela autenticidade e pela comunidade que estão no centro desses negócios.

Aumento da atividade asiática em 2020: com a estratégia na região se tornando mais ativa em negócios no exterior. A região da Ásia-Pacífico é o maior mercado de produtos para a pele e cosméticos do mundo – a parceria com uma empresa fluente da APAC é uma maneira interessante e potencialmente lucrativa de impulsionar o crescimento.

Beauty Tech: Mudar as preferências do consumidor mudou a relação entre consumidores e produtos. A demanda por transparência, personalização, varejo experimental e comunidade são todos alimentados por tecnologia, que trabalha em segundo plano em toda a cadeia de valor da categoria. Não há fim para a necessidade de inovação tecnológica, portanto, o investimento e as aquisições estratégicas continuarão.

Suprimentos: a consolidação de participantes menores, especialmente os da cadeia de valor orgânica e natural, permanecerá alvos atraentes, assim como aqueles que inovam na frente da sustentabilidade, como a Sulapac. Há uma tremenda oportunidade para empresas de embalagens capazes de comercializar e dimensionar materiais sustentáveis. Outras empresas focadas em B2B que trabalham nos bastidores, inovando em tecnologia de atendimento, experiência em comércio eletrônico e pessoal de varejo, se tornarão investimentos interessantes. A competição vai esquentar, pois os fundos que normalmente são focados em marcas e consumidores agora estão analisando esses ativos.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Beauty Matter

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros