Visit us on TwitterVisit us on FacebookVisit us on LinkedIn
Cosmetic Innovation - Know More. Create More.Destaque Empresas & NegóciosO que esperar do futuro do mercado de dermocosméticos no Brasil

O que esperar do futuro do mercado de dermocosméticos no Brasil

  • Written by:

Dermo Week, promovida pela BASF, reuniu especialistas para discutir o futuro da dermocosmética

Por Estela Mendonça

A essencialidade da higiene pessoal e a ritualização das rotinas de beleza estão entre os “legados” da pandemia para cuidados pessoais dos brasileiros, segundo pesquisa da Mintel, apresentada por Amanda Caridad, analista de sênior de beleza e cuidados pessoais, no painel “O futuro da beleza e as macrotendências do mercado”, durante a Dermo Week, evento virtual promovido pela BASF, entre os dias 3 e 5 agosto, que reuniu na plataforma onono+ especialistas em tendências, ingredientes e formulações em dermocosméticos.

“Com o protagonismo da ciência durante a pandemia, os consumidores também estão buscando esse endosso científico e clínico em seus produtos”, analisa Amanda, o que explica o crescimento expressivo dos dermocosméticos no Brasil.

Amanda acrescenta que a pesquisa mostrou que 31% dos brasileiros não acreditam nos claims das marcas de produtos de beleza, 38% estão interessados em produtos de beleza e cuidados pessoais que ofereçam claims comprovados clinicamente e 75% acreditam em produtos de beleza que são criados por cientistas.

Amanda destacou algumas oportunidades no mercado, como associar o uso  de produtos ao autocuidado de beleza física e holística, considerando que 42% dos brasileiros começaram a tomar banhos mais longos durante a pandemia como uma forma de relaxamento. “O banho se tornou local de refúgio, com 23% dos entrevistados dizendo que utilizaram produtos de beleza e cuidados pessoais que os ajudassem a relaxar e 33% também utilizaram algum produto que remetesse à experiência de spa em casa.

O impacto emocional na saúde e beleza também foi constatado na pesquisa. Para 55%, os fatores emocionais, como estresse e depressão, foram citados como causa principal para a queda capilar e 39% concordaram que fatores emocionais conseguem influenciar a saúde da pele, reforçando a oportunidade de combinar atributos físicos e emocionais aos produtos.

A inclusividade e a diversidade também foram destacadas. Na pesquisa, 35% dos consumidores reportaram sua cor da pele como sendo de tons mais escuros. Desses, 34% disseram ter sofrido com acne antes da pandemia e 39% redobraram os cuidados com proteção solar por conta do uso da máscara facial e por preocupação de ter um tom disforme.

Amanda prevê que, entre 2022 e 2025, mesmo com uma postura mais conservadora em relação a preço e a busca por rotinas mais minimalistas, haverá a retomada do crescimento níveis da pré-pandemia e a manutenção de novos hábitos adquiridos durante o isolamento. “Além de uma demanda maior por cuidados holísticos, a pesquisa revelou uma mudança significativa nas formas de interação entre as marcas e consumidores, caracterizada pela digitalização e pela ominicanalidade”.

Ingredientes heróis

Daniella Francischetti, especialista em inovação de bioativos na BASF

Os ativos que estão revolucionando a comunicação de ingredientes no skincare foram o tema do bate-papo entre Joyce Kitamura, influenciadora e beauty youtuber, e Lucas Portilho, farmacêutico e especialista em cosmetologia e Daniella Francischetti, especialista em inovação de bioativos na BASF. Com a pandemia, Joyce notou o crescimento expressivo do interesse dos seus mais de 1 milhão de seguidores por cuidar da pele. “Quando você começa uma rotina de skincare, você nota uma melhora. Com isso, as pessoas vão sempre esperar mais novidades do mercado e a falta de inovação faz perder o interesse”.

Depois de uma fase em que se falava muito do ácido hialurônico e da vitamina C, Joyce notou que começam a ser muito comentados ingredientes como a niacinamida, o ácido tranexâmico e o retinol. “Esses ativos são os que as pessoas estão querendo saber mais. A galera sempre pede. A demanda vem dos próprios influencers e das pessoas querem usar os mesmos ativos que os influencers”.

“No P&D, a gente é muito influenciado por tendências que vem de fora, principalmente dos Estados Unidos e Europa, e quem contribui muito com isso são os distribuidores e fabricantes de matérias-primas. Uma das coisas que a gente tem feito é buscar diariamente alternativas que sejam naturais, mas que tenha a mesma performance”, contou Portilho.

Para o especialista, um dos heróis é a nanotecnolgia e as vitaminas C. “São mais de 20 tipos de vitamina e o desafio é escolher a melhor. Os heróis também serão os ativos com índice de vegetalização maior. Se parte da molécula é mais vegetalizada, já ajuda”, afirmou Portilho, ressalvando que o brasileiro gosta do que é tecnológico.

Daniella pontuou que a BASF procura aliar cada vez mais a vegetalização à eficácia. “Ambos os pontos tem que andar de mãos dadas. Esse é o ponto chave das pesquisas das indústrias de matérias-primas e a biotecnologia vem a agregar eficácia a esses ingredientes”, disse.

Desafios da clean beauty

Emiro Khury, consultor sócio-diretor na EK Consulting, no painel que tratou sobre os desafios de clean beauty em dermocosméticos, observa que a clean beauty deve ser vista como um movimento mercadológico e, justamente por isso, não tem uma harmonização ou definição precisa. “A gente tem partir da compreensão de que cosmético não é tóxico e pensar um pouco sobre o que estamos fazendo com essa grande oportunidade de sermos mais claros, transparentes e aproveitarmos esse interesse dos consumidores para contarmos o que verdadeiramente estamos fazendo com nossos produtos”.

O grande desafio da clean beauty, para Khury, é o desempenho, porque os resultados dos produtos têm que ser iguais ou melhores ao já produzidos. “Não podemos voltar atrás. O conhecimento científico é dinâmico e evolui a todo instante. O formulador tem que continuar a pesquisar”, ressaltou.  “Ser clean beauty é ser honesto e o consumidor está buscando honestidade. A grande oportunidade é de falar e falar a verdade”.

“Tem o lado que surgiu baseado em preocupações reais e a indústria precisa evoluir nessa questão de identificar aquilo tem potencial para o meio ambiente ou para a saúde humana”, avalia Vinicius Bim, especialista em inovação cosmética na BASF, que também expôs o outro lado em que muitas empresas partem para um caminho não muito legal de dizer que seus produtos são livres de substâncias perigosas. “Isso induz de maneira desonesta o consumidor a pensar que o produto do concorrente é perigoso e a gente sabe que nosso mercado no Brasil tem uma regulamentação bastante consistente, muito espelhada na Europa, o que nos dá uma segurança muito maior”.

Vinicius Bim, especialista em inovação cosmética na BASF

Para Bim, trata-se de um movimento mais do que tudo social. “Com as mudanças pelas quais a sociedade está passando, as pessoas estão muito mais conectadas, buscando informações e preocupadas com elas e com o meio ambiente. Às vezes se baseiam em fontes superficiais para condenar um produto, mas esse é um caminho irreversível. Os fornecedores também estão trabalhando para baratear os ingredientes e torná-los mais acessíveis”.

Formulações conceito

Aline Mazetti, analista de marketing de bioativos na BASF, apresentou uma prévia do material Dermo Beauty, um conceito desenvolvido pela empresa para demonstrar as mais recentes tendências e inspirações de mercado, com sugestões de formulações, ingredientes e texturas. “Queremos ajudar as marcas e os profissionais da indústria a desenvolverem os produtos do futuro e criar esse novo patamar no mercado. Antes, a gente falava em cuidado com a pele e cuidado com o cabelo. Hoje, a gente fala em cuidado com a saúde da pele e com  a saúde do cabelo e do couro cabeludo”.

Aline Mazetti, analista de marketing de bioativos na BASF

O trabalho conta com uma linha de produtos conceito de cuidados com a pele, cabelo e proteção solar, entre eles um sérum com atividade biológica nas três camadas da pele que se propõe a rejuvenescer a pele 7 anos em 21 dias. “Estamos vivendo uma revolução dermocosmética e, com o aumento da necessidade de uma rotina de prevenção, cresce a demanda de produtos desenvolvidos por cientistas formuladores em conjunto com dermatologistas”.

Entre as novidades, Aline citou os ativos LitchidermTM que atua na modulação do microbioma através do mecanismo diferenciado do quorum sensing, PeptAIdeTM 4.0, um complexo de peptídeos desenvolvido com inteligência artificial e outros ingredientes que atuam com mecanismos muito inovadores, como a estimulação do colágeno tipo XVIII pelo CollaliftTM 18 ou a liberação de ocitocina para trazer bem-estar para a pele do Sacred PatchTM.

Ferramentas digitais

Ana Paula Uchôas, pesquisadora de performance de produtos em cuidados pessoais

Alguns desses ingredientes foram apresentados no painel “Otimizando a formulação de bases dermocosméticas”, por Ana Paula Uchôas, pesquisadora de performance de produtos em cuidados pessoais, e Tatiana Santos, coordenadora de serviços técnicos de cuidados pessoais, que demonstraram a partir de desafios de formulações, o passo a passo para usar as várias ferramentas da BASF para o desenvolvimento de um sérum hidratante e de um protetor solar, entre elas a D’lite, uma plataforma digital exclusiva para acompanhamento de tendências em tempo real e inovação de produtos.

Também demonstraram o uso da plataforma Actives Product Finder da BASF, que compila uma infinidade de ingredientes ativos e todas as informações com opções de Filtros sobre origem, mecanismo de ação, certificações, protocolo de testes, claims e muito mais. Outro recurso é a Calculadora de Vegetalização, que avalia o índice de vegetalização do produto, com base nas matérias-primas utilizadas na formulação, ajudando a economizar tempo de bancada.

Tatiana Santos, coordenadora de serviços técnicos de cuidados pessoais

Já o Sunscreen Simulator dá suporte ao desenvolvimento de protetores solares para determinar o Fator de Proteção Solar (FPS) teórico, que integra os critérios EcoSun Pass® para avaliação direta do impacto ambiental de combinações selecionadas de filtros UV e  avaliação de interação entre filtros UV e emolientes. Complementando, também detalharam a funcionalidade da ferramenta Emollient Jockey, que fornece dados abrangentes sobre as características e o desempenho de um emoliente, que conecta misturas de emolientes (tipo e dosagem) com propriedades físico-químicas e sensoriais para melhorar a experiência de desenvolvimento de produtos.

Proteção solar ativa

A Dermo Week contou ainda com a participação do dermatologista Sérgio Schalka, que em uma conversa com Vinicius Bim trouxe o olhar clínico sobre as tendências e desafios de performance de fórmulas dermocosméticas com FPS, abordando também as maiores demandas dos pacientes no consultório durante o último ano. “As pessoas começaram a se preocupar mais com a sua saúde e sua beleza e a procurar os consultórios para buscar tratamentos e informações”.

Segundo Schalka, a luz azul é o tema de maior interesse dos pacientes e também dos colegas nos fóruns nacionais e internacionais dos quais participa. “Nesse biênio 2019/2020, é um assunto que explodiu na pandemia. A cada 10 perguntas, nove são sobre luz azul”, revela o dermatologista, que acredita que este tema vai estar cada vez mais presente.  Embora o sol seja o maior emissor de luz azul do que qualquer fonte artificial, ele reconhece que ainda não é possível precisar o dano cumulativo da luz emitida pelas telas.

Bim aproveitou para anunciar que o Sunscreen Simulator da BASF, passou por um upgrade e, além dos parâmetros de desempenho conhecidos (FPS, proteção UVA, foto-estabilidade), agora também efetua cálculos para proteção contra a luz azul e a geração de radicais livres. O executivo também apresentou a formulação conceito Happy Therapy Multi-light Shield FPS 80 para pele sensível. A fórmula é leve com altíssima proteção UV e possui o Sacred Patch™, patch molecular associado ao sacran, que estimula a liberação de ocitocina, proporcionando bem-estar e conforto à pele, além do Ciste’M®, ativo antioxidande derivado da rockrose marroquina,  que protege e repara o DNA. “Usamos tudo aquilo que temos de melhor. Altamente hidratante, o produto também fortalece a função de barreira, melhorando todos os aspectos da pele sensível”.

Nutracêuticos e a saúde da pele

As executivas da área de nutrição da BASF, Beatriz Pistilli e Cyntia Moreira, apresentaram o portfólio de nutrição da BASF, um dos mais amplos do mercado, com produtos que cobrem vários benefícios para saúde da pele, visão, sistema imunológico, intestinal, gravidez, entre outros. “A gente tem muito orgulho de definir padrões da indústria em processos de produção e qualidade”, afirmou Beatriz.

Entre os destaques, Cyntia explicou os benefícios de formulações que associam dois ou mais ingredientes, citando como exemplo o mix dos carotenoides luteína e licopeno, que potencializa a ação antioxidante na pele, inclusive como prevenção do câncer de pele.

Nova estratégia em bioativos

Renata Oki, diretora de cuidados pessoais da BASF

Renata Oki, diretora de cuidados pessoais da BASF, aproveitou a oportunidade do evento, que contou com mais 1.000 inscritos para anunciar que o novo canal de atendimento direto a clientes de todo o Brasil, com exceção da região Sul, iniciado no ano passado com a linha de protetores solares, foi estendido também para a linha de bioativos.  “A linha Beauty Creations é composta pelos mais inovadores ingredientes com atividade biológica e eficácia clínica na pele e no cabelo, combinando alta performance com alto índice de vegetalização. Com ela, oferecemos à indústria as melhores soluções em ativos baseados na ciência, com grande potencial storytelling e inovação, para atender às demandas do consumidor e antecipar as tendências de mercado para nossos clientes”.

Todas as sessões da Dermo Week foram gravadas e estão disponíveis na plataforma onono+.

fsmip_meta_s_enable_floating:
yes
fsmip_meta_s_enable_post_icons:
yes

Comments are closed.

Parceiros 2021

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros

Animated Social Media Icons Powered by Acurax Wordpress Development Company