Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic Innovation - Know More. Create More.Ciência e TecnologiaUma única enzima pode ser a chave para o controle de odor nas axilas

Uma única enzima pode ser a chave para o controle de odor nas axilas

  • Written by:

Descoberta poderá levar a inovações em desodorantes, diz Unilever

Os dias de axilas com mau cheiro podem estar chegando ao fim, graças a uma nova pesquisa que identificou a enzima que causa o odor nas axilas.

Até 2015, a suposição era de que um dos principais componentes do microbioma das axilas, as corinebactérias, era responsável por desencadear o odor. Em seguida, novas pesquisas descobriram que um grupo diferente e menor de bactérias era de fato as culpadas.

“Foi um choque enorme descobrir que apenas algumas bactérias Staphylococcus, incluindo Staphylococcus hominis, causam odor”, destaca Gordon James, um dos cientistas da Unilever que trabalha com pesquisadores da Universidade de York no projeto BO.

Agora, a equipe deu um passo adiante ao identificar uma única enzima ‘BO’ encontrada apenas dentro dessas bactérias e a única responsável pela nota distinta do odor das axilas.

“Este é o maior avanço até agora de nossa colaboração bem-sucedida com a Universidade de York sobre as origens da BO”, diz Gordon. “A descoberta de uma enzima essencial para a formação de odor em algumas bactérias selecionadas, que evoluíram dezenas de milhões de anos atrás, é realmente uma grande surpresa”.

O que torna essa enzima particularmente interessante é que o cheiro que ela produz não parece ter nenhum propósito real. A maioria dos cheiros ‘ruins’ que nossos corpos produzem trabalho são como avisos de infecção ou doença ou como uma bandeira vermelha para ficar longe. A BO, no entanto, parece não ter nenhuma função para nós ou para as bactérias que a produzem.

Obviamente, isso pode não ter acontecido dezenas de milhões de anos atrás, quando, de acordo com os resultados desta nova pesquisa, essa enzima evoluiu pela primeira vez em primatas ancestrais, possivelmente como um sistema biológico de alerta precoce de perigo.

Chave para produtos mais segmentados

O odor corporal claramente não serve mais a esse propósito, e desde a criação dos primeiros desodorantes e antitranspirantes no final do século 19, tentamos suprimi-lo, seja pelo uso de antibacterianos ou mascarando o cheiro. Agora, graças ao insight oferecido por essa nova pesquisa, uma nova gama de produtos pode ser desenvolvida para combater a BO.

“A maioria das bactérias nas axilas não produz muito odor, o que significa que, no momento, está sendo gasto muito esforço visando bactérias que têm pouca influência na BO”, explica Gordon. “Com a descoberta dessa enzima, esperamos desenvolver técnicas que funcionem inibindo diretamente a enzima formadora de odor na fonte”.

Isso significaria que, eliminando o odor corporal, também perderíamos nosso cheiro corporal inerente e único? Gordon é tranquilizador. Nossos cheiros corporais mais atraentes são produzidos por outros mecanismos e não seriam afetados. Seria apenas BO que nós perderíamos – o que é algo que todos nós podemos viver felizes sem.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Unilever 28.07.2020

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros