Visit us on TwitterVisit us on FacebookVisit us on LinkedIn

Maquiagem na Era Ultra-HD – Parte 1

  • Written by:

Por Isabella Borges

Prezados Leitores, é com grande satisfação que venho fazer parte deste portal de inovação, para trazer conteúdo técnico e tendências do segmento de Maquiagem.
A maquiagem sempre exerceu um papel fundamental na sociedade desde as eras mais remotas, e diferente de outros cosméticos ela transcende a dupla fórmula/embalagem para ser um objeto de desejo, de poder e mudança na autoestima. A maquiagem está totalmente associada ao sistema de prazer do cérebro e por isso tem sido alvo de estudos da Neurociência, tendo um papel fundamental nas pesquisas de comportamento do consumidor.

Não devemos esquecer que a maquiagem está totalmente ligada a moda, e os produtos para lábios, olhos e face precisam se renovar rapidamente para atender às últimas tendências da estação. E como fazer esta renovação? Bom; para começarmos é bom relembrar alguns conceitos:

O que é Maquiagem?
“Maquiagem consiste na aplicação de produtos com efeito cosmético, de embelezamento, ou disfarce, com uso de substâncias especificamente destinadas a tal fim”. Wikipedia
“Conjunto de cosméticos ou pinturas usado para maquiar.” Dicionário Aurélio

Sendo assim, entende-se que a maquiagem nada mais é do que um cosmético colorido, e o protagonista desta história são os pigmentos, responsáveis por transferir a cor para a pele, olhos e lábios. Desta forma, podemos concluir que para as empresas se renovarem rapidamente e lançarem novas cores no mercado o caminho mais curto seria aproveitar uma fórmula já existente e alterar o “mix” dos pigmentos para desenvolver a nova tonalidade desejada.

Porém nas últimas décadas tivemos um grande avanço tecnológico; computadores, internet, satélites, TVs, celulares, “tablets”, “smartphones” entre outros que afetaram totalmente os hábitos de consumo da sociedade e no caso específico dos produtos de maquiagem, estes tiveram que se adaptar a nova Era, a Ultra-HD (High Definition). A maquiagem passou por uma grande evolução, para se adequar não só a tecnologia das câmeras ultrassofisticadas que transmitem a imagem das belas celebridades do cinema, mas principalmente a tecnologia dos celulares, onde a geração “selfie” quer estar com a aparência perfeita a qualquer hora e lugar. Em outras palavras, os pigmentos mudaram ao longo dos anos para se adaptar às novas tendências e hoje uma empresa pode ter categorias de pigmentos distintos por conceito ou apelo que precisa comprovar.

Em termos técnicos, a estrutura de uma fórmula de maquiagem ultra-HD é composta por 4 alicerces. Para cada um deles vamos explicar detalhadamente o avanço da tecnologia destas matérias-primas e para isso vamos dividir este artigo em Parte 1 e 2.

maquiagem_artigo_isabella

1) Pigmentos Revestidos e Micronizados: Já que o protagonista da maquiagem é o pigmento, vamos começar por ele. Os pigmentos convencionais como o dióxido de titânio e os óxidos de ferro, são usados para proporcionar a cor da face. Já o talco, a mica e o amido são usados como fillers ou pigmentos funcionais para proporcionar textura.
Todas estas partículas inorgânicas são hidrofílicas, têm grupos hidroxila e/ou água absorvida na sua superfície que podem formar ligações de hidrogênio, provocar forças atrativas causando aglomeração. Além disso, com o tamanho pequeno da partícula e uma grande área de superfície gera energia o que as deixa mais propensas a se aglomerar mediante as forças de Van der Waals. Como resultado, há vários inconvenientes bem conhecidos associados com os pigmentos não recobertos ou os fillers:

a. Sensação desagradável na pele. As partículas inorgânicas são duras e ásperas. A formação de aglomerados cria uma grande fricção e aumenta a sensação destas na pele, fazendo com que elas sejam sentidas como grossas e ásperas.

b. Pouca resistência ao uso. Os pigmentos hidrofílicos podem ser facilmente umectados mediante água. Quando aplicado na pele, como pó compacto, por exemplo, o pó pode ser facilmente umectado. Isto provoca escurecimento e quebra. Os primeiros tratamentos de superfície tinham a finalidade de deixar os pigmentos hidrofóbicos para o uso em pós. Além disso, quando a maquiagem em pó é aplicada molhada, para obter uma cobertura aveludada, a textura pode ser facilmente perdida, se forem utilizados pigmentos hidrofílicos.

c. Dificuldade para se dispersar. Isto é mais óbvio na fase oleosa. A umectação mediante óleo não gera suficiente energia para substituir a água absorvida nem para romper as ligações de hidrogênio. Desta maneira as partículas tendem a permanecer agregadas. Para o pigmento, o desenvolvimento de cor será ruim.

d. Instabilidade na emulsão. Os pigmentos hidrofílicos em fase oleosa podem migrar para a fase aquosa numa emulsão, afetando tanto a estabilidade da emulsão quanto da cor. Diferentes tipos de pigmentos podem ter cargas elétricas opostas em superfícies de partículas acarretando hetero agregação.

e. Instabilidade química. A superfície de alguns óxidos metálicos pode ser quimicamente reativa e causar degradação de outros ingredientes. Nos últimos anos, cada vez mais os ingredientes bioativos são incorporados nas formulações modernas para proporcionar valor agregado. Muitos destes ingredientes bioativos são suscetíveis a oxidação ou a outra interação química com íon metálico. A supressão desta reação química de particulados inorgânicos será um passo muito importante para evitar qualquer problema de estabilidade.

Alguns dos inconvenientes mencionados acima foram notados nos primeiros anos de uso e o tratamento de superfície foi introduzido em meados dos anos 70, ganhando muita popularidade desde o início dos 80 e estão em constante evolução. Os pigmentos funcionais/ou fillers e os pigmentos coloridos podem ser tratados com uma ampla classe de compostos para modificar suas características físicas e químicas. A tecnologia de tratamento de superfície revolucionou virtualmente a formulação de cosméticos coloridos ao proporcionar melhorias importantes na sensação da pele, na aplicação, na umectação do pigmento e na estabilidade da fórmula.

Tratamento de superfície comum

Com os conceitos acima, sabe-se que o pigmento revestido e/ou tratado, tem como premissa se tornar Hidrofóbico para repelir a água da pele, ter melhor durabilidade, molhar e dispersar facilmente nos emolientes oleosos e permitir maior estabilidade, assim como melhoria no sensorial.

O agente de tratamento deve ser aplicado na superfície de uma partícula mediante a mistura com o pó, empregando vários meios mecânicos, ou por meio da precipitação de uma solução. Outros métodos podem ser usados, mas seu uso na prática é limitado. O ingrediente de tratamento (ou cobertura) é logo fixado à superfície através de dois mecanismos:

1. Ligação física (principalmente forças de Van der Waals). Esta ligação não é forte e a cobertura pode ser parcialmente removida mediante dissolução, fusão ou abrasão física.

2. Ligação química – através de uma reação química para formar ligações covalentes ou iônicas. Esta ligação é forte e estável nos processos de formulação.

Em geral, é mais utilizado os tratamentos completos com reação química, particularmente quando o pigmento ou filler será disperso num veículo líquido. Abaixo alguns exemplos de tratamento de superfície.

maquiagem_artigo_isabella2

Para uma maquiagem ultra-HD além do tratamento hidrofóbico que repele a água da pele, deve se utilizar um revestimento que também seja Lipofóbico para repelir o sebo da mesma e permitir uma excelente aderência evitando que as partículas migrem, formando aglomerados também conhecidos como “vincus” que possam ser detectados com as câmeras de alta definição.

O melhor e mais comum ingrediente utilizado para revestimento são com os compostos fluorados.  A hidrofobicidade pode melhorar a duração da maquiagem contra a umidade e o suor. Entretanto, o sebo facial pode molhar os pigmentos hidrofóbicos, o que causa o escurecimento da maquiagem e brilho na zona T. Quando a excreção de sebo é abundante, pode ocorrer o rompimento da maquiagem. A repelência ao óleo do tratamento ajuda a prevenir este fenômeno e a duração da maquiagem pode ser significativamente ampliada, promovendo um efeito long-lasting e uma pele perfeita sob câmeras de alta resolução.

No próximo artigo, vamos descrever sobre os 3 outros pilares essenciais para uma maquiagem de alta definição.

Boa Leitura!!!!

Leia a continuação do artigo: Maquiagem na Era Ultra-HD – Parte 2

Referências
  1. Kobayashi and W. Kalriess, Cosm & Toil., Vol. 112, No. 6, p83, 1997
  2. US Pat 4,877,604, ML Schlossman
  3. US Pat 4,622,074, DS Schlossman
  4. WO2005099651, DS Schlossman

Comments are closed.

Parceiros 2021

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros

Social Media Icons Powered by Acurax Wordpress Development Company