Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationDestaque Empresas & NegóciosCoty deve dar impulso a onda de aquisições neste ano

Coty deve dar impulso a onda de aquisições neste ano

  • Written by:

Oitava maior do setor de beleza no país, empresa francesa tem bons resultados no Brasil, mas quer se concentrar no setor de luxo

As fusões e aquisições na indústria de beleza prometem continuar aquecidas em 2020, mesmo após a conclusão da compra da Avon Products, que transformou a Natura &Co na quarta maior empresa do setor no mundo. A expectativa é que fatores como a retomada do consumo e a taxa básica de juros (Selic) em baixo patamar animem os investidores. Entre os principais ativos está a operação brasileira da Coty, que engloba marcas como Risqué, Monange, Biocolor e Bozzano.

Fernando Gambôa, sócio-líder de consumo e varejo da KPMG, disse que a consolidação do setor foi mais intensa no exterior, mas que o Brasil tem muitas oportunidades, especialmente entre empresas regionais. “Esse cenário favorece as empresas que estão tentando vender em diversos canais e adotar novas tecnologias. O crescimento econômico vai propiciar investimento no setor produtivo.”

A francesa Coty é a oitava maior companhia do setor no país, à frente da Johnson & Johnson e da Beiersdorf, dona da Nivea. Em 2015, a Coty comprou a divisão de cosméticos da Hypermarcas, atual Hypera, por R$ 3,8 bilhões.

O Grupo Boticário, de Miguel Krigsner e Artur Grynbaum, tem interesse no ativo, assim como o empresário Daniel Fonseca de Jesus, que fundou a marca Niely e a vendeu à L’Oréal, cinco anos atrás, por R$ 1 bilhão.

Segundo fonte, o processo de venda da Coty está lento. A agência Reuters publicou, em novembro, que a divisão global de produtos para uso em salões de beleza e as marcas para cabelo, que incluem as tinturas Wella, têm interessados como Unilever, Henkel, Colgate-Palmolive e fundos como Advent e Cinven.

Pierre Laubies, presidente da Coty, disse que o Brasil se destaca nos crescimentos de receita e participação de mercado, mas que a multinacional quer se concentrar no varejo de luxo.

“O setor está retomando o crescimento por causa da economia. A perspectiva é que 2020 seja o melhor ano desde 2015 em transações e consumo”, afirmou Douglas Carvalho, sócio da consultoria Target Advisor.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Valor Econômico 21.01.2020

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros